“A arte não deixa de ser uma queixa”, diz Matheus Nachtergaele

Livremente inspirado em eventos da vida do cineasta Claudio Assis, Piedade é um filme que mistura temáticas distintas, mas que se complementam em certo ponto. A primeira é a especulação imobiliária, que assola a cidade-título; a segunda, um intenso conto familiar. É através dessa vertente que Assis insere sua história: assim como Omar (Irandhir Santos), que procura pelo irmão perdido (Sandro, interpretado por Cauã Reymond), o diretor também foi separado de seu irmão, dedicando anos à busca. E, simultaneamente a essa rede de conexões, há um personagem que confronta tudo e todos: Aurélio (Matheus Nachtergaele), impetuoso executivo de uma empresa petrolífera que chega ao local. +Assine a Vejinha a partir de 8,90. À Vejinha, Assis e Nachtergaele — cuja parceria é uma constante na carreira da dupla — falam sobre a trama. O ator diz que Piedade é um filme de presságio: quando competiu no Festival de Brasília, em 2019, o vazamento de petróleo no Nordeste havia acabado de acontecer. O ator aponta que, na arte, sempre há queixas sobre a realidade. “É queixa com poesia. Portanto, arte. O Brasil se tornou um lugar onde o cinema de autor é urgente.” Assis destaca que sempre procura trabalhar com temas frequentes e presentes. “Não é fácil abordar um drama que acontece com tantas pessoas no país e no mundo”, diz. Na pele de Carminha (mãe de Omar e Sandro), Fernanda Montenegro sempre foi a principal opção. “Cláudio me perguntou: ‘Será que ela vai aceitar o convite?’. Respondi: ‘Acredito que Fernanda seja sua fã’.” Dito e feito. A união entre os dois se deu na hora. Ela é ‘a atriz’, com todas as letras”, conta Nachtergaele. Publicado em VEJA São Paulo de 11 de agosto de 2021, edição nº 2750 [newsletter news_id=”49″ news_title=”” news_description=””][/newsletter] [abril-veja-tambem]W3siaWQiOjExMDU5MjIsInRpdGxlIjoiQ3JpYWRvciBkYSBLb25kWmlsbGEsIEtvbnJhZCBEYW50YXMgc2VndWUgbyBiYWlsZSBjb20gZXhwYW5zJiN4RTM7byBkZSBuZWcmI3hGMztjaW9zIn0seyJpZCI6MTEwNTk2MSwidGl0bGUiOiJPIEVzcXVhZHImI3hFMztvIFN1aWNpZGE6IG1haXMgdmlvbCYjeEVBO25jaWEgZSBhdG9zIGlycmV2ZXJzJiN4RUQ7dmVpcyBkZWZpbmVtIHZlcnMmI3hFMztvIGRlIEphbWVzIEd1bm4ifSx7ImlkIjoxMTA2MDAwLCJ0aXRsZSI6IlMmI3hFOTtyaWUgYnJhc2lsZWlyYSBPcyBBdXNlbnRlcyBhYm9yZGEgdGVtJiN4RTE7dGljYSBwb2xpY2lhbCBlIGludmVzdGlnYXRpdmEifV0=[/abril-veja-tambem]

“A arte não deixa de ser uma queixa”, diz Matheus Nachtergaele

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: